Qual o preço do sacrifício no trabalho e como reconhecê-lo? Carreiras

estresse-dor-cabeca

Quem nunca ficou estressado, não é? As vezes dá vontade de simplesmente responder mal a todo mundo, e ficar no quarto trancado o dia todo. Os motivos são diversos, desde uma atitude de um amigo que não agradou, ao trânsito ou até mesmo a namorada. São muitas coisas que nos tiram do sério. De acordo com dados de uma pesquisa feita e divulgada em 2013 pela ISMA Brasil, 70% da população economicamente ativa, que é o povo que trabalha, movimenta e economia e ‘sustenta’ os economicamente inativos, que são os aposentados e que por algum motivo não podem exercer atividades remuneradas.

Desses 70% da população ativa, sabe-se que o maior causador é o trabalho, que está em 69% dos casos. Número realmente muito grande. Relacionadas com o trabalho estão até mesmo mortes de pessoas que são muito cobradas e acabam fazendo loucuras para alcançar as metas, como aconteceu no ano passado com uma redatora na Indonésia. Ela ficou três dias seguidos ingerindo produtos de natureza energética para ficar acordada, e acabou falecendo. Há outras duas pessoas que vieram ao óbito pelo mesmo motivo.

estresse-trabalho

Além das longas e estressantes jornadas, outro fator determinante para o estresse é estar em um emprego sem a menor expectativa de crescimento, onde o mesmo trabalho é feito monotonamente, sem instigar o empregado e sem oferecê-lo desafios. A afirmação foi feita por Flora Victoria, que faz parte da Sociedade Brasileira de Coaching.

Para Flora, ser muito cobrado ou ser pouco é, da mesma maneira, prejudicial. “Os dois excessos são ruins. [...] Ou pode-se quebrar por superaquecimento ou murchar e desaparecer por subutilização”. Paulo Moretti, que é gerente médico do ‘Semeando Saúde’, explica o que ocorre com os estagnados: “Por menor esforço que ele demande, quando o trabalho não é prazeroso já gera uma sensação psíquica de sobrecarga”. A pessoa passa a se conformar e não cria maiores expectativas e ambições, o que faz mal para o corpo e para a mente.

Os sintomas são simples, mas na maioria das vezes não percebido por quem sofre desse mal. A mudança de sinais físicos e psicológicos, com humor variando e coisas no corpo que antes não eram sentidas podem indicar o estresse. Dores de cabeça e dores musculares são comuns, assim como a dificuldade de pegar no sono.  Dos entrevistados, 78% dos homens e 83% das mulheres sentiam as dores, e na mesma ordem, 39% e 37% dormiam mal. Outro sintoma que quase todos os “estressados” sentem é a ansiedade. Não conseguem esperar e ficam inquietos por qualquer motivo.

estresse-trabalho2

Loja Construir

É claro que problemas de natureza psicológica, como a falta de sono e a ansiedade, já citados, precisam sair de alguma forma, e fazem isso atacando nossa saúde física. Taquicardia, ganho e perda de peso,  e problemas gastrointestinais são reflexo do que está acontecendo conosco e outros sintomas facilmente encontrados.

Mas há como se emprenhar em seu trabalho, sem que sua saúde seja prejudicada? Claro que há! As metas e as pretensões do mercado de trabalho são cada vez maiores e o profissional deve saber adequar-se, e aqueles que conseguirem mantar a sanidade serão os de maior destaque. E quando eu digo de sanidade é a respeito da saúde mental em sintonia com a corporal, e que te façam sentir bem e executar cada vez melhor o seu trabalho.

De acordo com Flora, “você será feliz quando conseguir usar as suas forças na quantidade correta e estiver funcionando em seu nível ótimo”. O ideal foi tirado das ideias de Aristóteles e significa basicamente que deve-se trabalhar exatamente o que pode. Nem menos e nem mais do que é capaz. Seja isso levado em conta, o profissional deverá conhecer seus limites, e saber adequar-se a eles. Fez e acha que pode melhorar? Procure, aos poucos, ser melhor. Caso já esteja em seu limite, tentando cada vez mais quebrar barreiras inalcançáveis, a tendência é de sua saúde se esgotar no decorrer das tentativas. É como um carro e o sistema de marchas. Quando está em uma fraca, e precisa de mais velocidade, é hora de passar e crescer. Se está no limite, não adianta continuar acelerando, pois não há como passar dali, e a tendência é afetar a capacidade inicial, piorando cada vez mais o desempenho.

Para pessoas com estresse o recomendado é que se alimente bem, faça exercícios e esteja com a mente em dia, desabafando e fazendo o necessário para que haja sintonia com o corpo. Mas é claro que não é somente isso. Irão ajudar a “lidar com o stress e ter uma recuperação mais eficiente”, de acordo com Ana Maria, psicóloga e presidente da ISMA Brasil.

 

“É importante cultivar o devido valor para todas as esferas do viver. Quando isso não está balanceado, sinal de que você está se sacrificando, dando mais para a carreira do que deveria”.

Artur Zular

 

 

Fonte: Exame Abril

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Loja Construir
Qual o preço do sacrifício no trabalho e como reconhecê-lo?
0 votes, 0.00 avg. rating (0% score)

Tenho 18 anos e sou estudante de Engenharia Civil da Univix – Faculdade Brasileira, em Vitória, Espírito Santo.