Adolph Beck, o engenheiro que perdeu sua vida por um crime que não cometeu Curiosidades

adolf-beck-john-smith

Adolph Beck nasceu em 1841 na Noruega. Embora tenha sido educado como químico, trabalhou em quase tudo. Em 1865 mudou-se para a Inglaterra, onde trabalhou num escritório de corretor de automóveis. Mudou-se para a América do Sul em 1868 e trabalhou em diversas coisas: cantor, corretor de navios, corretor de imóveis e alguns dizem que chegou a trabalhar como engenheiro em um escritório. Após juntar dinheiro o suficiente para viver novamente na Inglaterra, em 1885, voltou.

Chegando lá, procurou envolver-se em alguns esquemas financeiros, que não são confiáveis, para procurar uma fortuna, de certa forma, rápida. Arrendou uma mina de cobre na Noruega com os seus fundos, mas não deu certo. Assim como a mina deu errado, todas as suas outras tentativas, como um hotel em Covent Garden. Beck tentava vender suas coisas, mas não havia quem comprasse, e isso fez com que ele reduzisse à pobreza. Chegou a um ponto que devia dinheiro até para a secretária de seu hotel. Ele se importava muito com as aparências, o que o levou a usar, mesmo sem dinheiro algum, cartola e casaco sempre que saía, embora tivesse apenas aquelas peças.

Em dezembro de 1895, foi parado na rua por uma mulher que o acusou de tê-la furtado. Beck não se importou, saindo de seu caminho. Foi seguido pela moça até o momento que viu um policial e parou-o, dizendo que estava sendo seguido por uma prostituta. Ela, no entanto, aproveitou a situação para dizer o que havia acontecido para tais acusações. Os dois foram encaminhados para uma delegacia e a moça, que se identificou como Ottilie Meissonier, contou como havia acontecido o furto.

De acordo com ela, Adolph havia a abordado perguntando se era uma conhecida. Devido à sua formalidade, Ottilie ficou extremamente impressionada, e então ele se identificou como Lord Willoughby. Durante a conversa, convidou-a para tomar um chá no dia seguinte. Eis que então acontece o inesperado: quando estavam no luxuoso iate do ‘Lord’ tomando o tal chá, convidou-a a fazer um passeio até a Riviera Francesa. Lá foi com ela às compras e deu um cheque de 40 libras para que pagasse tudo. Pediu ainda que a senhorita Meissonier emprestasse a ele seu relógio e anéis para que trocasse por peças mais valiosas, mas simplesmente desapareceu com seus pertences. O cheque era também sem fundo e deixou-a com uma grande dívida. Jurando para os policiais que Beck era o criminoso, conseguiu que ele fosse preso.

Após a prisão sem fundamentos de Adolph Beck, o inspetor designado para cuidar do caso buscou informações e descobriu que mais vinte e duas mulheres haviam sido enganadas por um senhor de cabelos grisalhos que dizia se chamar “Wilton de Willoughby” e da mesma maneira como a Ottilie perdido seus pertences.

Procurando obter provas mais concretas, o investigador convidou todas as vítimas e visualizarem um lineup de possíveis suspeitos. O caso é que Beck era o único dos 15 escolhidos com cabelos grisalhos e bigode, que era a marca registrada do bandido. Obviamente todas elas apontaram para ele.

Loja Construir

Mesmo afirmando inúmeras vezes, Beck foi incriminado e julgado. Sua pena foi de acordo com supostas acusações anteriores. Em 1877 um homem chamado de John Smith foi condenado a 5 anos pelos mesmos crimes os quais Adolph estava sendo acusado. Os investigadores alegaram que John e Beck eram a mesma pessoa. Quando já estava complicado, eis que aparece, durante seu julgamento, um homem chamado de Elliss Spurrell, que durante o caso de Smith, em 1877, trabalhava na polícia e assistiu, no tribunal, todas as acusações contra ele, afirmando de eles eram sim a mesma pessoa.

Após ser condenado a 7 anos de trabalho forçado, Beck permaneceu sofrendo por crimes que não havia cometido. Seu advogado fez vários pedidos de revisão de caso, mas foram repetidamente negados, até que um membro do departamento de crimes olhou os arquivos de John e viu que ele era judeu, portanto havia sido circuncidado, e esse não era o caso de Beck. Mesmo com provas concretas, nada foi feito e ele continuou encarcerado.

Depois de longos anos de vai e vem na cadeia e nos tribunais, a verdade apareceu: John Smith, na verdade, também não existia. Seu nome verdadeiro era Wilhelm Meyer e vinha enganando muitas mulheres com o passar dos anos e com vários nomes diferentes, enquanto Beck sofria na cadeia. O caso foi desvendado assim que Meyer foi preso, pelo mesmo golpe que sempre aplicou, e foi identificado pelo inspetor, que conhecia muito bem o caso de Adolph. Este só foi solto em 1903, quando o verdadeiro culpado finalmente assumiu a culpa de tudo que havia feito.

Recebeu um valor de cinco mil libras como uma maneira do governo desculpar-se por todos os imprevistos, mas aqueles anos de sofrimento haviam lhe feito muito mal. Seis anos depois, no dia 7 de dezembro, veio a falecer com pleurisia, bronquite e vários outros problemas gerados através dos anos.

Comparação entre Beck (foto de cima) e Meyer. Foto registrada pela polícia.

Comparação entre Beck (foto de cima) e Meyer. Foto registrada pela polícia.

 

Fonte: Wikepedia 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Loja Construir
Adolph Beck, o engenheiro que perdeu sua vida por um crime que não cometeu
0 votes, 0.00 avg. rating (0% score)

Tenho 18 anos e sou estudante de Engenharia Civil da Univix – Faculdade Brasileira, em Vitória, Espírito Santo.